Mitos e Verdades sobre o Trigo by Finna | Health

30 de novembro de 2016
Rico em carboidratos, vitaminas do complexo B, zinco e vitamina E, nutrientes importantes para o bom funcionamento do corpo, o cereal deve fazer parte da alimentação



Alimentos energéticos à base de trigo como pães, massas e bolos são frequentemente retirados da alimentação por serem considerados calóricos. A falta destes alimentos no cardápio, porém, pode ser prejudicial à saúde, explica Aretha Magalhães, nutricionista da Equilibrium, consultoria da marca de farinhas Finna, da M. Dias Branco. 

O trigo é um cereal nutritivo, rico em carboidratos, vitaminas do complexo B, zinco e vitamina E, nutrientes importantes para o bom funcionamento do corpo. Quando usado em preparações feitas em casa, é ainda mais benéfico, pois é possível controlar a quantidade de sal, açúcar e gordura. 

“A exclusão de alimentos à base de trigo que são nutritivos e típicos da cultura, sem nenhum critério ou restrição alimentar, deve ser desencorajada para não evitar prejuízos a saúde ou uma preocupação desnecessária com a alimentação”, ressalta Aretha. 

Confira abaixo os principais mitos e verdades associados ao consumo de trigo e seus derivados, de acordo com a nutricionista da Equilibrium:

1 - O trigo é um cereal nutritivo. 


VERDADE. O trigo é um cereal que possui diversas substâncias benéficas. Ele é rico em carboidratos, proteínas e fibras. Possui vitaminas do complexo B, zinco e antioxidantes. 

2 - O trigo contém glúten, por isso ele deve ser abolido da alimentação.

MITO. O glúten é uma proteína encontrada nos cereais como trigo, centeio e aveia. Não há provas que a retirada do trigo (e glúten) da alimentação traga benefícios para a saúde.  Inclusive sua retirada pode resultar em inadequação no consumo de vitaminas do complexo B, ferro e fibras. 

Somente quem é celíaco (doença do sistema imunológico que provoca inflamação no intestino e gera sintomas como diarreia, dores abdominais e carência de alguns nutrientes) deve retirar o glúten da alimentação. Ou seja, 1% da população realmente não pode consumir glúten. 

3 - Alimentos com glúten, à base de farinha de trigo, têm calorias semelhantes a alimentos sem glúten, feitos com outras farinhas.


VERDADE. Os mesmos alimentos ou preparações feitos com outros tipos de farinhas, com e sem glúten possuem valor calórico semelhante.  Sendo assim, consumir alimentos sem trigo para reduzir as calorias da alimentação não tem fundamento. 

4 - Para emagrecer é preciso deixar de comer alimentos feitos com farinha de trigo, como pães, tortas, bolos. 


MITO. Como a farinha e os alimentos derivados do trigo fazem parte do grupo de alimentos energéticos, é comum que sejam associados ao ganho de peso. É necessário esclarecer que apenas o excesso e o desequilíbrio no consumo de qualquer alimento podem levar ao ganho de peso.  Cortar o carboidrato, principal nutriente presente na farinha de trigo, pode causar cansaço, irritabilidade e falta de energia. 

5 - Diabéticos devem evitar consumir trigo e alimentos feitos de farinha de trigo. 


MITO. Com os avanços do tratamento farmacológico e de estudos que relacionam a interferência da nutrição nessa patologia, concluiu-se que não há razão para diabéticos cortarem o carboidrato da alimentação. Ele deve ser mantido para garantir o aporte de energia.

A recomendação é que as quantidades, frequência de consumo e combinações de alimentos devem ser ajustadas conforme tratamento médico e nutricional.

Para saber mais informações e para acompanhar todos os conteúdos exclusivos de Finna acesse: www.finna.com.br
Fanpage Finna: www.facebook.com/cozinhafinnaInstagram Finna : @cozinhafinna
SAC: 0800 702 5509

*Conteúdo enviado pela assessoria da marca. 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Expresse-se! Sua opinião é muito importante! Aproveita e deixa o link de seu blog (ou site) para que eu possa retribuir o carinho, tá?

Publicações Relacionadas
Design + Programação por Demara Soares © 2013 - 2017 | Powered by Blogger | Todos os direitos reservados | Muito Melhor Visualizado no Google Chrome